Notícias

11.05.17

“Oráculos de Deus”

Muitas são as denominações pela qual a Bíblia se refere à Palavra Revelada do Senhor

Você sabia que a palavra “Bíblia” não aparece nem uma vez sequer na… Bíblia? E nem poderia, já que a Palavra de Deus revelada e registrada só passou a ser conhecida como Bíblia Sagrada muito tempo depois de escrita, por volta do século 2 da Era Cristã. As origens do termo não são exatas, mas a maioria dos pesquisadores concorda que Bíblia – grafada em letra maiúscula por ser título de uma obra literária – deriva do nome Byblos, cidade e importante porto fenício (no atual Líbano) que se celebrizou, na Antiguidade, como polo exportador de papiro, fibra vegetal usada para escrita. Inclusive, muitos textos bíblicos da época foram registrados nesse tipo de material. Por uma questão de proximidade de ideias, a expressão biblos passou a designar ‘livros”, em grego. Bíblia, então, seria uma reunião de livros – expressão que também deu origem à palavra biblioteca.

Mas, se a própria Bíblia não se chama, em nenhum momento, por esse nome, como ela própria se designa? De muitas maneiras, e todas elas apontando na direção da sacralidade do texto e de sua inspiração divina. “Sagradas Escrituras”, por exemplo, é como Paulo a denomina, em Romanos 1.2. Na mesma direção vai Lucas, que, no capítulo 24 de seu evangelho, usa o termo “escrituras”.É como Escrituras Sagradas, aliás, que grande parte dos cristãos e escritores de hoje se referem à Bíblia.

O profeta Isaías, por sua vez – ele mesmo, um dos principais autores bíblicos, tendo deixado como legado um alentado livro profético com 66 capítulos –, usa outra bela expressão quando apela às nações que temam a Deus: “Buscai no livro do Senhor e lede (…), porque a boca do Senhor o ordenou” (Is 34.16). “Lei do Senhor”, ou “Livro da lei”, também são denominações largamente utilizadas, principalmente no Antigo Testamento. Já no Novo Testamento, a quantidade de designações é bastante diversifi cada. O mesmo Paulo, escrevendo aos colossenses, exorta-os nestes termos: “Habite, ricamente, em vós, a Palavra de Cristo”. “Sagradas letras” é outra nomenclatura usada pelo apóstolo, agora dirigindo-se a Timóteo: “Desde a infância, sabes as sagradas letras” (2Tm 3.15).

O autor do livro de Hebreus, quem sabe fazendo uma concessão à cultura helenística, chama a Bíblia de “os oráculos de Deus”, outra bela denominação para a sublime revelação do Todo-Poderoso ao homem. Já a singela, signifi cativa e largamente empregada nomenclatura “Palavra de Deus” surge, por exemplo, em Hebreus 6.5. E o próprio Cristo, no início de seu ministério na Terra, certo sábado, foi a uma sinagoga e, ali, leu um belíssimo trecho do livro de Isaías: “O Espírito do Senhor está sobre mim, pelo que me ungiu para evangelizar os pobres; enviou-me para proclamar libertação aos cativos e restauração da vista aos cegos, para pôr em liberdade os oprimidos, e apregoar o ano aceitável do Senhor”. Ao fi m da leitura – que falava, profeticamente, dele mesmo – o Mestre, sintetizando o texto, usou um termo clássico para referir-se à Palavra de seu Pai: “Hoje, se cumpriu a Escritura que acabais de ouvir.”